Quatro Regras do ‘Velho Oeste’ que valem para o mercado de música de hoje

A internet lembra a terra de ninguém. É o que o Will Hutchinson percebeu enquanto dirigia pelo Velho Oeste americano. E ele compilou quatro regras da época do bang-bang que podem te ajudar a vencer na internet como músico. Confira aqui!

Por:  Will Hutchinson

Eu sobrevivi ao vórtex polar que passou pelos EUA, e parece que a primavera está para virar a esquina, por mais que eu ainda não tenha checado com a marmota.

Para sair um pouquinho da zona de conforto, eu aluguei um carro e dirigi até Denver para participar de uma noite de microfone aberto no  Swallow Hill Music, um lugar de encontro famoso da comunidade folk. As pessoas lá foram tão queridas, e o apresentador até me chamou para participar de uma noite com as melhores apresentações. Eu tive tempo para ouvir uns álbuns novos e maravilhosos enquanto dirigia até lá, consegui passar um tempo com meu amigo Chris Koza, que também é cantor e compositor, e ainda consegui ver o sol se pondo atrás das montanhas.

O mundo da música digital é um pouco como o Velho Oeste. Eu vou conseguir sobreviver?

Dirigir por 14 horas e visitar essa comunidade antiga de músicos me trouxe várias perguntas, que eu fiquei me repetindo conforme cruzava o deserto. Enquanto cruzava Nebrasca e os lugares onde ficam os museus de Buffalo Bill e do Pony Express, eu comecei a matutar que o mercado de música digital me lembra de uma terra sem fronteiras, meio como foi o Velho Oeste da América nos anos 1800.

Gigantes da Internet como Spotify, Facebook, Twitter e Google estão todos montando o que vai ser essa revolução digital de conteúdo criativo. Artistas e empresários do mundo todo estão indo para cima e para baixo como bandidos fora da lei, tentando agarrar qualquer oportunidade que passe montada em um cavalo. Entretanto, conforme aumenta a oferta, diminuí a demanda. E, com mais música do que nunca, viajando mais rápido do que nunca, é fácil se perder nesse momento de expansão.

Então o que isso tudo significa para mim, artista independente? Em breve a  Amazon vai conseguir até enviar as compras das pessoas por drone, e eu com isso?

Como perseverar na terra digital sem lei?

Olhando para o Velho Oeste através de filmes de bangue-bangue, é possível perceber que: as maiores qualidades para o sucesso era a competência, a confiabilidade, a autopreservação, defender a si mesmo e a quem você ama e falar pouco, mas falar bem.  Eu tive 14 horas na estrada para dissecar essa metáfora e transformá-la em dicas que podem ser usadas por artistas de hoje em dia, ou por qualquer um que esteja tentando navegar no mundo virtual.

Competência.

Você faz as coisas com eficiência e correção? Agora que a internet nos oferece milhões de opções, as pessoas estão ficando melhor em saber que marca faz o que bem.

Hoje em dia, a competência parece ser medida por influência social. Influência social é medida por quantos seguidores você tem. O número de seguidores que você tem vem da sua consistência em produzir conteúdo de qualidade (autêntico e inspiracional).

Você vai saber se (C) está produzindo conteúdo de qualidade se estiver (A) criando conteúdo com consistência e (B) ganhando seguidores. Então C = A mais B.  Depois que você estiver (C) produzindo conteúdo de qualidade, (A) com consistência, é só uma questão de tempo até começar a ganhar influência social.

Confiabilidade.

Você quer criar a impressão de que é confiável, forte e honesto. No mundo real, isso é bem simples (ainda que um desafio): é só dizer a verdade, evitar fofocas, aparecer no horário combinado, saber dizer não quando tiver de dizer não e ser uma pessoa de palavra.

Na internet, adivinha?, é a mesma coisa! Sua existência na internet, entretanto, passa por uma curadoria muito maior, e se você for ter contato com pessoas que não são seus amigos e familiares, vai precisar se mostrar com mais frequência para essas pessoas que não fazem parte do seu círculo social.

A coisa boa de se construir confiança online é que você consegue manter contato com muito mais gente, de maneira eficiente. Pense com cuidado em o que vai dizer antes que as palavras saiam da sua boca/teclado,  e há muitas ferramentas para ajudar você a organizar suas promessas.

Proteja a si mesmo e às pessoas que você ama.

A comunicação é um caminho de duas mãos. Com o compartilhamento de informações no mundo atual, as pessoas não estão só tirando a carteira do bolso para comprar os produtos da sua banda, sua música e ingressos para o seu show. Elas estão também colocando sua reputação na linha na hora de dar um  “like,” um “comentário,” um “follow,” ou um “share.”

Do mesmo jeito que a marca de Donald Trump influencia a reputação de quem o segue, a reputação de Donald Trump também depende de quem o segue, para o bem ou para o mal. Esse é outro exemplo extremo, mas ilustra o que eu quero dizer. Quer você perceba ou não, sua marca é influenciada por quem você é e com quem você se associa.

Para proteger a si mesmo  a seus seguidores, certifique-se de que sua marca vai ser fiel a o que você prometeu. Se as pessoas se sentirem inseguras quanto a isso, não se surpreenda se elas pararem de se associar a você. Tomar partido em assuntos delicados é um jeito de deixar bem claro qual é sua marca. Mas só você pode julgar de que lado está e o custo das pessoas que vai perder caso assuma um lado.

Poucas palavras, mas palavras fortes.

Num mundo em que tudo parece estar ficando cada vez mais rápido, lembre-se de desacelerar. Não tente estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Dẽ um passão para trás  e olhe para tudo o que está acontecendo ao seu redor. Não corra atrás do outro só porque é o que as pessoas em volta estão fazendo.

Tudo o que “acontece” no reino digital é na verdade o que está rolando entre pessoas reais. Não são números . Essas pessoas têm sentimentos, esperanças e desejos , que nem você. Mudar-se para uma cidade grande pode fazer um sujeito se sentir pequeno — e a internet é a maior cidade de todas. Encontre suas comunidades, online e offline, e, nas sábias palavras de Susan Werner, “floresça onde você estiver plantado”

Se você leu tudo isso e não trabalha com música, espero que tenha encontrado algo de útil para usar nas suas relações com o mundo da internet.  Esses princípios de competência, confiança, auto-preservação e poucas palavras fortes não são nada de novo. Quando eu me perco no feed das minhas redes sociais e sinto que estou ficando para trás, sempre acho que um post como esse pode ajudar. Espero que ele também seja um lembrete para vocês.

Feliz trilhas a todos,

Will


 

Will Hutchinson é cantor e compositor em tempo integral, criador do blog The Music Habit e do podcast de mesmo nome, pai e sobreviveu a infarto. Ele mora em Lincoln, Nebrasca, Estados Unidos. Will lançou  4 álbuns de músicas autorais, fez mais de 300 shows nos últimos 5 anos e foi finalista na competição de composição musical International John Lennon Songwriting Competition. Se você curtir esse post, pode saber mais sobre ele no seu site ou na página de Facebook.


Ganhe Dinheiro Guide

1 Comentário

  1. Pingback : Quatro Regras do ‘Velho Oeste’ que valem para o mercado de música de hoje – Agnaldo Rangel

Comente

Seus email não será publicado.