Os vários tipos de turnê para artistas independentes, qual é o certo para você?

Sair em turnê é duro, mas pode ser recompensador. O SomosMúsica te ajuda a pensar em qual o formato certo para você e sua banda.

Como fazer Tûrnes para bandas e músicosJack Conte da Pomplamoose escreveu um post (em inglês) sobre como sua banda fez um tour por um mês e arrecadou US$135.983 (quase meio milhão de reais!), mas mesmo assim acabou PERDENDO dinheiro, com um prejuízo final de US$11.819.

O artigo é bem interessante, e entra em detalhes nos gastos da banda, receitas, e qual foi a reação deles quanto ao “custo” de fazer uma turnê como artistas independentes.

O artigo dele criou uma conversa bem interessante com diversas opiniões sobre sair em turnê. Uma banda do Reino Unido chamada They Say Fall postou “A realidade de uma banda ainda nova saindo em turnê”, um artigo que basicamente diz que bandas mais conhecidas como a Pomplamoose podem conseguir lucrar com uma turnê se viverem com menos: sem acompanhantes, dormir na van, comer comida barata, etc.

Ainda que esse tipo de turnê possa ser “sustentável” por 10-dias a cada 6 meses quando você tem 25 anos de idade, não é uma boa opção para bandas que precisam tocar 28 dias seguidos, dirigindo por longas distâncias entre cada show, e sorrindo sempre para jornalistas, DJs, promoters, e o público, todas as noites.

[E se você CONSEGUIR aguentar uma turnê mais ‘simples’ por um mês direto, repetir isso várias vezes, e com uma frequência constante, enquanto toca em lojas e estúdio, dando entrevistas, arrumando seu próprio equipamento e luz… bom, claramente você é o The Butthole Surfers de 1985 e pode voltar para onde você pertence!]

De qualquer forma, toda essa conversa sobre sair em turnê me lembrou mais uma vez que não existe uma solução que seja idêntica para todos para encontrar seus fãs pelo mundo.

* Para bandas novas (e corpos jovens), sair em turnê como o They Say Fall faz pode ser um bom início: tire uma semana de férias do trabalho, durma no chão da casa de amigos ou no carro, toque muito! Muitas pessoas do mercado fonográfico pensam que sair em turnê – mesmo que isso signifique gastar uma grana só para tocar em lugares meio vazios no outro lado do país – é uma parte importantíssima de se tornar um músico profissional.

* Outros acreditam que turnês tradicionais não fazem mais sentido, e encontraram outros meios de se conectar com audiências, e outras métricas para indicar quando e onde é o momento e lugar certo para a sua banda viajar.

* Para artistas que buscam intimidade com seu público, e que preferem evitar aqueles lugares escuros, com cheiro de bebida e sombrios, talvez shows em casa podem ser a solução. Confira aqui como a Shannon Curtis ganhou US$25.000 em um tour de 2 meses de show em casas.

* Para músicos com mais obrigações no dia-a-dia (pais!) ou para aqueles que acham complicado ir viajar, há aquela pergunta existencial se você pode SER um músico profissional sem sair em turnê. Para um ótimo artigo nesse assunto, confira Ter Filhos e Tour: Músicos Profissionais vs. Amadores.

* E aí temos vários músicos que nunca tocaram ao vivo (e nunca pretendem tocar), mas mesmo isso conseguem e podem promover sua música.

Artistas diferentes. Públicos diferentes. Necessidades diferentes. Jeitos diferentes de pensar sobre turnês. E não há um único jeito “certo”.

Como VOCÊ acha que seu modo de pensar sobre turnês se relaciona com sua carreira na música? Conte para nós nos comentários.

Confira também esses outros artigos (Em português):

Você deveria estar numa turnê: por que bandas têm de gastar um bom dinheiro para tocar em casas meio vazias em cidades pequenas por todo o país

Turnê internacional: dicas para músicos independentes sobre shows lá fora, promoção, alfândega, venda de mercadorias, e viagem

Turnês tradicionais ainda fazem sentido para artistas independentes?

Como promover seu show

Comente

Seus email não será publicado.