O que todo músico precisa saber sobre remarketing

Já ouviu falar de remarketing? Não é um bicho de sete cabeças, e sim a técnica que vai te ajudar a escrever mensagens melhores para entrar em contato com os fãs certos, em vez de perder tempo repetindo o mesmo pedido de “ouça meu som”. Aprenda mais aqui…

O que todo músico precisa saber sobre remarketing

Por Chris Robley

Noções básicas de Remarketing para Músicos: como colocar a mensagem certa na frente dos fãs certos, a qualquer momento.

O marketing de música não deveria ser um jogo de adivinhação. Pelo menos não O TEMPO TODO.

Quando você sabe o que seus fãs fizeram no passado, você tem uma ideia melhor do que eles querem fazer hoje e amanhã.

Esse é o conceito por trás do remarketing.

Confira esse tutorial em vídeo (em inglês) que ensina as coisas básicas sobre mensagens sequenciais, segmentação de público e como instalar seu a ferramenta Pixel no Facebook:

O que é remarketing?

Remarketing é o processo de fazer uma série de mensagens para o seu público-alvo, que você descobre a partir de coisas que eles já fizeram.

Ou, dito de outra maneira:

  • Você usará ferramentas de remarketing/retargeting (como o Pixel, no Facebook) para descobrir como os seus fãs se comportam no seu território virtual (sites, suas ações de marketing no Show.co, os funis de compra dos seus produtos, Facebook, Instagram etc.).
  • Depois, a partir dos dados de o que as pessoas fizeram ou deixaram de fazer nos seus sites, você terá um plano melhor para se comunicar com seu público no futuro. Por exemplo, você pode focar seus anúncios no Facebook para um público-alvo que já visitou alguma outra página sua na internet.

Em vez de encher o saco de todo o seu público com mensagens chatas e genéricas, você poderá convidar seus fãs para uma jornada que vai do ponto A para o ponto Z; e você poderá tratar cada fã de um jeito diferente, baseado no interesse dele ou dela.

Você terá que PAGAR se quiser fazer remarketing direito.

JÁ VAI SE CONFORMANDO: Remarketing bem feito precisa ter anúncios, pelos quais você vai ter de pagar.

É claro que você consegue ter controle total sobre quem clica nos links que você manda por e-mail pelo Mailchimp — mas isso não é EXATAMENTE o remarketing de que nós estamos falando. Você quer que o grosso das informações que você vai começar a mapear (agora) e usar para focar suas mensagens (daqui a pouco) possam ser automatizadas. E para que isso role, você precisará se acostumar à idéia de PAGAR ao Facebook, ao Google, ao YouTube, OU A ALGUÉM.

Se você acha que pagar para fazer anúncios é uma idéia amarga demais, te dou quatro colheres de açúcar para engolir a idéia:

  1. Sua carreira na música não vai ser uma carreira enquanto você não começar a tratá-la como um negócio. E empresas têm de investir dinheiro para ganhar dinheiro. Chamar a atenção das pessoas não é grátis. Anúncios bem-feitos não são grátis. Mas o retorno que você vai ter pode valer a pena.
  2. As plataformas grandes, tipo Facebook/Instagram, Google e YouTube têm um alcance enorme e preços mais ou menos competitivos (baratos) para seus anúncios. É um bom momento, no grande esquema histórico da publicidade. E, mesmo antes de você chegar no estágio do RE-marketing, você terá muita chance de se apresentar para gente que ainda não te conhece. Fazer marketing.
  3. Os públicos segmentados que você criar vão se atualizar automaticamente, de acordo com o comportamento das pessoas que estão neles. Então suas propagandas serão dinâmicas, e suas listas estarão sempre atualizadas.
  4. Conforme você for ficando melhor nesse trabalho, vai ficar mais barato e mais rápido para chegar no mesmo resultado. Não entre em pânico. Vai melhorar.

O Remarketing é um jeito de aumentar sua venda de músicas, de contar sua história para mais gente e de levar seus fãs numa jornada.

Você já ouviu a palavra “funil” sendo usada em marketing? Funil de vendas. Funil de acessos. Funil de conversões.

É bem o que parece. O funil é uma maneira de descrever uma jornada pela qual você leva alguém passando pelo conhecimento, interesse, desejo até a ação.

  1. Ei, você nunca tinha ouvido falar de mim. Agora você conhece.
  2. Gostou da música que ouviu? Eu sou bem legal. Olha por que eu sou legal.
  3. Você é bem legal por gostar de mim. Posso te oferecer 50% de desconto no meu álbum novo?
  4. Valeu por comprar meu CD! Agora que você faz parte do clube, segue aqui uns brindes para você.

Isso é um resumo bem genérico, mas espero que ilustre. Você vai levando seu público passo a passo.

É claro que você pode perder algumas pessoas pelo caminho. Então a parte de cima do funil é onde você tem o maior número de pessoas, mas o menor comprometimento delas. Enquanto os fãs vão descendo pelo funil, mais as pessoas estarão comprometidas a fazer o que você pedir.

O Remarketing pode ser visto como uma lógica parecida, para mensagens ou anúncios. É uma parte do funil.

De novo, o objetivo é levar as pessoas para uma jornada. Você pode criar uma jornada baseada nas suas metas, é claro, mas também deve levar em conta o que seria mais legal e valioso para seus fãs.

Talvez o Ponto A seja um site em que um player do Spotify toca seus singles, e o Ponto Z seja um site em que você peça para os fãs de verdade, aqueles que “foram funil abaixo” com você, comprem a edição limitada do disco de vinil do seu novo álbum. Durante o caminho entre esses dois pontos, é bom que você tenha feito uma JORNADA que foi interessante (no mínimo) e inspiradora (no melhor dos mundos).

Com o remarketing, é mais fácil tratar cada fã como um indivíduo diferente. E é essa a chave para criar uma conexão mais profunda, e ganhar a lealdade deles com cada mensagem que você mandar, cada anúncio que publicar, cada vídeo que postar, cada texto que subir no seu blog etc.

O remarketing te ajuda a descobrir:

  • Quem quer te acompanhar numa jornada
  • Quem precisa ser incentivado ou convencido a te seguir
  • Quem precisa ver uma oferta melhor ou outros tipos de conteúdo
  • E quem quer ser deixado de fora

E depois você observa o que as pessoas fizeram com sua mensagem.

O seu fã deu o passo com você? Ótimo. Garanta que a estrada adiante seja sempre divertida.

Eles empacaram? Acontece. Talvez eles precisam ser lembrados de que estão dando uma voltinha com você, e por que isso é legal para os dois.

Eles estão perdendo o interesse? Ofereça outra oportunidade para eles voltarem para o seu trem da alegria.

Eles estão te ignorando completamente? Ótimo. Dê adeus a eles. Eles não iam ser seus fãs mesmo.

Vamos (só um pouquinho) pra parte técnica

O Remarketing e o retargeting são, tecnicamente, coisas diferentes, mas a gente pode considerar os dois aqui a mesma coisa, já que não precisamos complicar sua vida.

Como ficar de olho nas atividades online dos seus fãs

Ter um registro do que seus fãs fazem online exige que você instale algumas ferramentas de retargeting — como o pixel, no Facebook — no seu:

  • Site
  • Ações de marketing na Show.co
  • Funis de Venda
  • Links do LinkFire
  • E outros

Para criar um pixel no seu Facebook, clique AQUI.

Instalar seu código de “retargeting” numa ação de marketing da Show.co é super fácil. É só copiar o código usado no seu Facebook e colar no campo em que está escrito “retargeting code” no painel de controle da sua conta na Show.co quando você for criar uma ação de marketing por lá.

Já para o seu site, serviços de hospedagem de sites diferentes têm jeitos diferentes de lidar com o pixel do Facebook, então confira as perguntas mais frequentes e os vídeos de tutoriais do seu serviço de hospedagem, para saber como instalar.

E agora — como VOCÊ vai usar essa informação?

Registrar as ações dos seus fãs é uma coisa. Mas fazer follow-up, ou as mensagens que vêm depois da primeira, é a parte divertida. É aqui que você precisa ser criativo e encontrar o jeito certo de conversar com cada segmento do seu público.

Se você está usando o pixel do Facebook para coletar as informações, seu follow-up provavelmente vai rolar através das plataformas de anúncios do Facebook (e do Instagram).

Mas e-mail, Messenger, posts não pagos em redes sociais e seu site vão todos ter um papel no seu desempenho nesse follow up’.

O que você precisa se perguntar antes de criar um anúncio sequencial, ou um conteúdo novo:

  • Que texto, imagem, vídeo ou oferta serão mais interessantes para alguém NESTE momento da jornada?
  • Essa comunicação de follow-up vai me levar para mais próximo do fã, ou criar uma conexão mais profunda?
  • Essa mensagem vai ajudá-los MAIS, ou pelo menos o tanto quanto vai me ajudar?
  • A mensagem é direta, fala diretamente COM ELE, e reconhece onde ELE está nessa jornada?

Você deve repetir essas perguntas toda vez que for pensar em uma mensagem sequencial. Se fizer isso, vai ver o engajamento dos fãs te surpreender.

Revisando: o remarketing pode ajudar um músico a:

  1. Ligar os pontos entre os fãs e o que eles fazem online
  2. Registrar as atividades dos seus fãs nas suas diferentes plataformas
  3. Evitar que você fique postando posts repetitivos, e que não contem uma história
  4. Aprofundar sua relação com o público
  5. Construir uma base de dados para anúncios segmentados

Eu espero que este post tenha sido útil, e passado as noções básicas de remarketing. Eu adoraria ouvir sua história com marketing sequencial, ou usando o Facebook ads, segmentando público-alvo e levando seus fãs numa jornada que tenha aumentado o número de pessoas interessadas no seu mailing, o número de ingressos vendidos e o número de vezes que sua música é tocada em streaming.

Conte para a gente na sessão de comentários aqui embaixo.


Distribua sua música com a CD Baby!

1 Comentário

  1. Pingback : Como decidir ONDE divulgar sua música | SomosMúsica

Comente

Seus email não será publicado.