Como um artista independente conseguiu ter “um monte de fontes de renda diferentes rolando ao mesmo tempo”

Eric é músico francês, mora em Portland e fala a língua do Se Vira: ele conta ao SomosMúsica como consegue ter várias fontes de renda que, juntas, permitem que ele viva da música.

Como um artista independente conseguiu ter “um monte de fontes de renda diferentes rolando ao mesmo tempo”O Que Está Dando Certo na Música Independente Hoje: Lições de Sucesso de Eric John Kaiser, membro da New Artist Model

Um dos melhores jeitos de pensar em novas ideias e estratégias para sua carreira musical é conferir o que outros músicos estão fazendo. Então o Dave Kusek e a Lindsay McGrath, da New Artist Model estão montando uma série de estudos de casos de músicos talentosos e bem-sucedidos que estão dando as regras no mundo da música indie. O terceiro episódio da série é com o músico Eric John Kaiser.

Eric John Kaiser é o “Trovador Francês”. Nascido em Paris, ele mora em Portland, Oregon. Esse artista independente canta em francês e toca música de violão, com influência de jazz americano ou blues. Ele chama seu estilo de Americana Parisiense.

“Eu sou um compositor e um contador de histórias. É isso que a gente gosta de fazer – se conectar com as pessoas”, diz o Eric, explicando que ele se sustenta só com sua música. “Eu admiro a tradição de contar histórias da música americana, o jeito que combina tudo, do blues do Delta ao jazz. Estando nos EUA, consigo viver essa realidade diariamente em vez de vê-la a distância.”

Marcando shows

Eric se moveu para os EUA em 2006. Ele lançou quatro álbuns e tocou no Instituto Smithsonian, Washington DC, o museum Young Fine Arts Museum em San Francisco, na casa de show Blue Nile, em Nova Orleans, no festival Solidays, em Paris e dividiu o palco com os Stereophonics.

O Eric também fez uma turnê com a estrela francesa Tété, com os The Lost Bayou Ramblers em Lafayette, Louisiana e com a banda francesa Revolver.

Explorando os EUA em várias turnês longas, o Eric fez shows subindo até o Canadá e descendo até cidades como Nova Orleans e Washington D.C.

“Se você quer ir pela rota independente, aprender sobre marketing é muito importante. O que eu gosto na New Artist Model (http://newartistmodel.com) é que ela te ensina com clareza como obter várias fontes de renda com shows, gravações e publicação das suas obras”, diz o Eric. “Não há desculpa para não estudar, e a New Artist Model e o caminho a se seguir.”

Antes de imigrar para os EUA, Eric usava metade do seu tempo para tocar em Paris e trabalhava em outras funções no mercado fonográfico. Ele era programador da Fun Radio Network, foi relações públicas da Source Records (um braço da Virgin) e foi um dos apresentadores do programa de música ao vivo “Melting Pop” no canal de TV francês Direct 8.

“Quando eu me mudei para Portland, senti que tinha conhecimento o suficiente para começar a tocar em tempo integral”, diz Eric, acrescentando que os shows em restaurantes e cafés franceses ajudaram a tirar sua carreira do zero e fizeram ele ganhar confiança com o público.

O Eric ainda toca muito em Portland, mas diz que está cada vez mais difícil conseguir achar dias disponíveis nas casas de show locais.

“A cena de shows aqui está mudando. Portland está saturada de músicos, e está cada vez mais difícil de conseguir shows para se sustentar”, diz Eric. Ele conta que muitas casas de show pequenas estão fechando enquanto condomínios e prédios de escritório são levantados.

Crowdfunding

Conforme a cidade foi evoluindo, o mesmo aconteceu com a estratégia de negócios do Eric. Enquanto o grosso da sua renda ainda vem de shows, ele também recebe dinheiro de financiamento de fãs, para pagar os custos dos seus vídeos e gravações. Pré-vendas de álbuns também são uma boa fonte de renda. Eric oferece ainda apresentações culturais francesas em escolas da região e faz workshops de composição em francês. Ele também toca em casamentos e de vez em quando faz um show caseiro.

“A New Artist Model me mostrou o valor de ter várias fontes de renda rolando ao mesmo tempo.”

As vaquinhas virtuais, ou crowdfunding, ajudaram o Eric a completar dois álguns em 2014. Uma campanha da Kickstarter para Idaho conseguiu levantar cerca de US$ 7.000, enquanto uma outra no RocketHub, para o Outside It’s America, juntou US$ 5.000. Idaho conseguiu vender 400 cópias em pré-vende, e os ingressos para a festa do seu lançamento, em Portland, se esgotaram.

O Eric está prestes a começar uma nova campanha no Kickstarter, para o álbum que ele vai terminar em Quebec. Ele faz uma rodada de crowdfunding a cada dois anos.

“Uma das coisas mais importantes a se fazer durante o crowdfunding é manter as expectativas realistas”, diz Eric. “Afinal, é um processo baseado em confiança, e leva tempo para se ganhar a confiança.”

“Só funciona se as pessoas já te conhecerem. O sucesso com isso não nasce em duas semanas. É uma confiança que foi sendo construída com o passar dos anos”, diz Eric. “Primeiro conquiste uma base de fãs. Você não pode simplesmente postar na internet um projeto de crowdfunding e achar que as pessoas vão te apoiar.”

Entender o tipo de crowdfunding que seus fãs estão dispostos a apoiar também é importante, afirma Eric. Sua página, Patreon, incentiva as pessoas a doar mensalmente, ou a cada novo lançamento. Até agora, não deu muito dinheiro. “Minha audiência é um pouco mais velha”, ele diz. “Pagar mês a mês assusta muitas pessoas. Elas associam isso com contas.”

Mídias Sociais

As mídias sociais são a ferramenta primária do Eric para manter contato com os fãs— e ele as usa de uma maneira que abraça seu nicho musical. Os textos do seu site http://www.ericjohnkaiser.com estão tanto em inglês quanto em francês.

As pessoas que dão a Erica seu nome completo e email ganham três canções de graça. “É um investimento que vale”, diz ele.

“Muitas pessoas nãoa acreditam em mailings”, ele diz. “Não dependa do Facebook, não deixe ele controlar seus contatos.”

O email é um canal superimportante que o Eric usa para manter contato com seus fãs — Facebook, Twitter e Instagram vêm logo atrás. Ele se manifesta uma vez por dia, usando seus canais nas redes sociais e manda um email para sua lista a cada mês. A lista de mailing dele tem cerca de 4.000 pessoas, e mais ou menos o mesmo número de curtidas em sua página de Facebook. Ele não se dedica muito a conquistar novos fãs online, e prefere deixar isso acontecer naturalmente, em encontros pessoais. “A conexão com as pessoas no meu shows é muito mais forte”, ele diz.

Você pode ler a história completa do Eric na New Artist Model.

Para saber mais sobre Eric John Kaiser visite o seu site: http://www.ericjohnkaiser.com/

A New Artist Model é uma escola digital de negócios musicais criada por Dave Kusek, o criador da Berklee Online. A escola online é uma plataforma para o ensino de estratégias práticas e técnicas de como se viver de música. Aprenda a criar um caminho único para sua carreira com as estratégias que estão funcionando para artistas independentes do mundo todo. Aprenda a pensar como empresário criar seu próprio plano e a viver da sua música. A New Artist Model oferece treinamento no nível de faculdade, por um preço muito menor do que as mensalidades da universidade. Os programas custam a partir de US$ 29 por mês. Para saber mais sobre a New Artist Model visite http://newartistmodel.com.

2 Comentários

  1. rogerfraiha@gmail.com'
    by Rogero Fraiha Araujo on agosto 11, 2016  16:03 Responder

    Boa a Matéria. Mas faltam cases de sucesso Nacionais.Afinal a nossa realidade é ben diferente.

    • by Paula Humphries on agosto 17, 2016  21:39 Responder

      Obrigada pelo comentário e sugestão, Rogero. Faremos o possível para ter mais desses casos em futuros posts.

      Até mais!

Comente

Seus email não será publicado.