As Top 10 coisas que músicos não querem ter em um show

São os ossos do ofício: se você é músico ou música, você já deve ter passado por uma dessas 10 coisas que nenhum artista quer ter nos seus shows, de fãs-vampirões a microfone zunindo.

As Top 10 coisas que músicos não querem ter em um show

Por Chris Robley

Dar tudo de si no palco já é cansativo o suficiente. Músicos não querem deixar seus shows sentindo como se acabaram de passar horas batalhando um inimigo.

Aqui vai uma lista com as 10 coisas que podem transformar sua noite dos sonhos num pesadelo:

  • Para te ajudar a encontrar bons lugares para se apresentar
  • Ajudar as casas de show a dar o melhor que elas podem oferecer
  • Passar para o público uma noção de como ser um fã bacana

Os músicos não querem se deparar com:

1. Palpiteiros que acham que sabem demais

Isso acontece mais com cantoras e musicistas do que com seus colegas homens. Mas, todo mundo passa por isso de vez em quando. Um “fã” — geralmente um cara mais velho, diga-se de passagem — que chega junto e começa a dar “dicas” “úteis”. Depois do show, quando você já não pode mudar mais nada. Não que você MUDARIA nada, mas o que esse palpiteiro sabe? Eles já tiveram a coragem de subir no palco?

E, mesmo assim, suas opiniões que ninguém pediu começam a correr soltas na sua cabeça, e começam a comer tudo de bom que a apresentação da noite tinha deixado em você. Valeu, amigão. E valeu por fingir que sua crítica era um elogio. Eu preciso reconhecer que você manja muito. E quando eu digo “reconhecer”, eu quero dizer que eu vou reconhecer a porta e sair correndo, tentando esquecer as bobagens que você disse. Mas eu não vou conseguir esquecer. Você estragou minha noite.

2. Insegurança

Esse é o item mais sério da lista. Pode ser um stalker que te segue em todos os shows e assusta pra caramba. Um bêbado que não consegue ficar quieto ou ouvir um não como resposta. Alguém gritando palavras de ódio. Ou um bar que parece estar à beira de uma briga — os músicos NÃO têm que ficar se preocupando o tempo todo com sua segurança, ainda mais num lugar em que ELES deveriam ser o divertimento.

É claro que casas de show têm de se esforçar para oferecer um ambiente seguro. Mas os fãs e os outros músicos também têm um papel. Isso pode significar chamar o segurança da casa de show, ligar pra polícia ou pedir para a pessoa causando que vá embora.

3. Os fãs-vampirões

É ótimo ser adorado, não?

Mas existe um momento no show em que você precisa pôr os pés no chão e trocar uma ideia com seus amigos. E às vezes os fãs não entendem isso. Eles estão animados demais por estar perto de você.

Daí eles começam a pesar, grudam. Você não quer ofender o fã, mas precisa de um tempinho para você. E eles querem mais. E mais. E tudo o que conseguirem.

De repente, você percebe uma marca de dois dentes no seu pescoço. Eles sugaram seu sangue e você nunca mais vai poder sair na luz do sol

4. Gente que empaca na sua mesa de produtos

Essas pessoas não são tão ruins quanto os fãs-vampirões, que sugam a alma. Eles só estão atrapalhando a sua venda de produtos… porque eles não conseguem se decidir. Eles querem experimentar 17 modelos de camisetas. Eles querem papear com você, saber a história de cada música de cada álbum.

Depois que eles pagam, eles querem ficar mais e trocar uma ideia. Enquanto as pessoas atrás deles na fila estão impacientes

5. Equipe indiferente

Poderia ser pior se as pessoas da casa de show fossem grosseiras. Mas eu nunca senti ódio de uma equipe de casa de show.

Eu já fui a muitas casas de show onde a equipe estava exausta, todo mundo já tá de saco cheio de estar lá e não dão a mínima para a música. Eles já ouviram tudo o que tinham para ouvir, você é só uma banda a mais.

Ainda pior se o engenheiro de som estiver sentindo a mesma coisa.

No melhor dos casos, você vai conquistar o coração deles e vai ouvir algum elogio no fim do show. O que vai ser ótimo. Mas isso não vai mudar o fato de que você foi recebido por um paredão de indiferença.

6. Gritões

Eu só lembro de uma pessoa que não parava de gritar num show meu. E nem foi tão ruim, mas me broxou completamente.

Uns caras gritaram alguma coisa sobre minha música ser “felizona e pra cima” (não era) e depois um deles berrou “Por Deus, toca uma coisa alegre”.  No fim do show, eu tocava um solo de guitarra selvagem. Daí eu joguei meu violão no chão com toda a força e saí do palco

Poderia ter sido marra de roqueiro, mas não era. Eu tinha ficado louco com os gritos. Ele me colocou numa posição defensiva, e eu perdi o controle.

Primeira lição: Descubra como agir com os gritões sem perder a compostura.

Segunda lição: gritões, calem a boca e vão pra casa. E valeu pela grana da entrada.

7. Equipamentos quebrados

Você trabalha numa casa noturna? Então não ofereça microfones estourados, cabos desencapados, monitores que fazem barulho e pedestais bambos. Isso não vai passar muita confiança para os músicos na hora do ensaio de som.

E também tem as casas de show que fazem os músicos mostrar tudo o que estão trazendo de equipamento na hora que chegam e o que sai estão levando na mala na hora que partem. Isso cria uma sensação de desconfiança. Todo músico agora vai ser maltratado porque alguém uma vez surrupiou um cabo?

Talvez a casa de show tenha de assumir a responsabilidade por cuidar dos aparelhos, e correr atrás de itens desaparecidos com as bandas que se apresentaram naquela noite.

8. Ter duas bandas numa mesma data

Ter dois shows em uma mesma data é um saco! Algum empresário atrapalhado ou dono de casa noturna podem marcar com mais de uma banda para a mesma data. Ou, pior ainda, muitas vezes eles não estão lá na hora do show e deixa os músicos terem de decidir quem se apresenta antes.

Foi contratado? Ótimo. Você vai receber, mesmo que seja a banda tocando depois que todo mundo foi embora. Não tem contrato? Agora vai ter que negociar e dividir o dinheiro com as outras bandas.

Empresários: olhem o calendário. É seu trabalho.

9. Seu nome escrito errado na fachada da casa de show

Olha como eles se importam comigo!

(Só que não.)

10. Uma placa em que está escrito “É proibido fazer covers”

Esse é um sinal esquisitão de que uma casa de show não entende nada sobre negócios musicais.

Por que?  Porque uma placa de “proibido fazer covers” geralmente significa que essa casa de show não está pagando as taxas para associação de direitos autorais como o Ecad, para cobrir os direitos das músicas que são tocadas lá dentro.

E o fato de alguém não tocar músicas populares não significa que essa pessoa não deve direitos autorais de execução. Eu sou um compositor associado à uma associação e teoricamente tenho direito a receber direitos todas as vezes que alguém toca minhas músicas. Então a casa de show teria de pagar, não importa se lá dentro estão tocando músicas famosas OU composições independentes.

Mas, quando há uma placa de proibido fazer covers, isso vai colocar VOCÊ numa posição estranha, em que terá de abrir mão dos seus direitos (os direitos por execução pública) ou você vai ter de ensinar para a casa de shows como as coisas funcionam no mundo real. E pode parecer que você está sendo petulante.

No fim, você pode acabar tocando lá & abrindo mão dos seus direitos. Só para a casa de shows saber que você não vai denunciá-la para as associações de direitos autorais.

E agora ninguém está feliz.

Quais são as coisas que você detesta num show? Quais são os indícios de que uma casa de show vai ser horrorosa? E fãs se comportando mal? Conte tudo para a gente nos comentários.


Distribuição de álbuns por apenas US$29. Vamos lá!

1 Comentário

  1. Pingback : As Top 10 coisas que músicos não querem ter em um show – Agnaldo Rangel

Comente

Seus email não será publicado.