2018 tem tudo pra ser um grande ano para a música no Brasil

O ano de 2017 foi bastante agitado e deixou a porta aberta para que 2018 também seja tão bom quanto, ou até melhor! Saiba por que 2018 tem tudo para ser um grande ano para a música no Brasil.

2018 tem tudo pra ser um grande ano para a música no BrasilPor Ana Clara Ribeiro

Dizem que o ano só começa depois do Carnaval… Então, agora que as festas e os bloquinhos acabaram, você está pronto para 2018? Quem faz música tem muitos motivos para ficar empolgado com esse ano, e muita coisa para ficar de olho também!

Continue lendo e saiba por que 2018 tem tudo para ser um grande ano para a música no Brasil.

Retrospectiva 2017

Muita coisa pesada rolou em vários setores no Brasil. Mas, quando o assunto é música, vamos falar a verdade: 2017 deu motivos para comemorar sim! Olha só:

  • 2017 foi o ano em que o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição, o ECAD, bateu recorde em arrecadação de direitos autorais de músicas de cerca de 259 mil artistas brasileiros. A arrecadação chegou na casa dos bilhões e foi 37% maior do que a do ano de 2016;
  • Não somente os direitos autorais geraram arrecadação surpreendente: também vimos empresas de eventos de entretenimento com lucros quase triplicados em 2017, mostrando que a música é capaz de movimentar dinheiro na casa dos 9 dígitos;
  • 2017 também foi o ano de presença massiva de nomes brasileiros em paradas musicais internacionais. Anitta, Kevinho, Nego do Borel, Pabllo Vittar, Wesley Safadão e Alok são alguns dos artistas que alcançaram posições em charts mundiais do Spotify, iTunes e na Billboard.

Será que 2018 consegue manter o ritmo?

Nós acreditamos que sim!

Por que 2018 tem tudo pra ser um grande ano para a música no Brasil

Veja 5 motivos pelos quais você, como artista, pode – e deve! – ficar muito animado para 2018.

1. Os compositores vão ser melhor reconhecidos

Já faz um tempo que os compositores em todas as partes do mundo têm lutado para obter mais reconhecimento e melhores remunerações.

Pouco a pouco essas lutas estão trazendo resultados.

O Spotify já começou a mostrar os nomes dos compositores e produtores, por meio da opção “Mostrar Créditos” ao usar a plataforma pelo computador – e em breve irá mostrar também na versão mobile.

Nos Estados Unidos, está em discussão o Music Modernization Act (“Ato de Modernização da Música”), que busca melhorar o sistema que calcula os royalties sobre execuções e performances. Apesar de o Ato ser válido apenas para artistas americanos, espera-se que essas mudanças desencadeiem movimentos semelhantes em outros países.

A previsão é que em 2018 vejamos mais iniciativas em prol dos direitos e do reconhecimento daqueles que são responsáveis por criar aquilo que chega aos nossos ouvidos.

Se você tem trabalhos autorais, anime-se! Continue acompanhando nosso blog e fique ligado em tudo que vai acontecer para os compositores e produtores.

2. Artistas brasileiros vão se fortalecer cada vez mais

Em 2017, tivemos Anitta com J Balvin, Nego do Borel com Maluma, Pabllo Vittar com Diplo, Mc Fióti com Future… E tudo isso foi só o começo!

O mundo está mais receptivo a artistas que não são do eixo América-Europa (“Despacito” manda beijos), e o Brasil pode e vai ganhar muito com isso.

Seja por meio dos feats (parcerias) com artistas internacionais ou com lançamentos cada vez mais bombásticos, nossos artistas têm mostrado que podem sim fazer hits que agradam plateias estrangeiras.

Aliás, quem disse que precisamos agradar gente de fora? O sucesso internacional é um bônus, mas dentro do nosso próprio país, também há muito campo para a música crescer e se fortalecer muito.

Assim como 2017 foi um ano recorde de arrecadação de direitos autorais no Brasil, como nós dissemos acima, 2018 tem tudo para continuar essa tendência.

3. Shows e festivais no Brasil vão bombar

Preparem os bolsos, pois a programação de shows para 2018 está intensa!

Mesmo com os indícios de crise, 2017 teve shows internacionais pra caramba e muitos festivais lotados. Isso animou vários outros artistas que já estão com data marcada para tocar no Brasil em 2018.

Saca só a listinha de quem já confirmou para vir (em show solo ou em festival):

  • Lana del Rey;
  • Red Hot Chili Peppers;
  • Shakira;
  • Enrique Iglesias;
  • Imagine Dragons;
  • The Killers;
  • Pearl Jam;
  • Katy Perry;
  • Demi Lovato;
  • Liam Gallagher;
  • Foo Fighters;
  • Phil Collins;
  • Radiohead;
  • Depeche Mode;
  • James Blunt;
  • Kygo;
  • Jason Derulo;
  • Wiz Khalifa;
  • Tyler the Creator;
  • Mac Miller;
  • Chance the Rapper;
  • Queen of the Stone Age;
  • Alan Walker;
  • Cheat Codes;
  • The Neighbourhood;
  • Ozzy Osbourne;
  • Harry Styles;
  • Niall Horan;
  • Gorillaz;
  • Royal Blood;
  • The National;
  • Oh Wonder;
  • Zara Larsson.
*Lista atualizada até 15.02.2018

Os shows internacionais são um termômetro que merece destaque, pois sabemos que o custo de trazer um artista de fora não são baixos.

Mas além de todos esses, teremos também os shows nacionais e vários festivais: Lolapalooza, Popload, Soundhearts, Abril Pro Rock, Goiânia Noise, que vão acontecer – fora os que já aconteceram: Rec-beat, Planeta Atlântida, Festival de Verão de Salvador, Psicodália; começando 2018 com muita música e festa.

Quem acha que o mercado de entretenimento no Brasil vai mal precisa pensar duas vezes. O ano de 2018 tem tudo para ser mais um ano de intensa arrecadação em eventos de entretenimento.

4. As formas de fazer música vão se ampliar

Os números da economia freelancer atingiram resultados expressivos em 2017, e estima-se que vai crescer ainda mais em 2018.

A princípio, você pode até achar que isso não tem nada a ver com a sua música, mas a verdade é que muitos músicos também têm adotado esse modo de trabalho para pagar suas contas, ou para fazer uma graninha extra por meio dos freelas.

Até um tempo atrás, era complicado achar um estúdio de mixagem ou masterização na sua cidade; ou, ainda, muitas músicas ficavam paradas por meses porque o produtor não achava o músico certo para adicionar aquele instrumento que faltava. Hoje, em uma plataforma como o Fiverr, Upwork ou VintePila, é possível encontrar alguém que resolva seu problema em prazo rápido e preço bacana.

Outras novidades que têm tornado muito mais fácil a conexão entre músicos são os apps de colaboração musical, como o Vampr, que liga a comunidade musical e facilita colaborações.

5. As formas de faturar com música também vão se ampliar

Não são só as formas de fazer música que tendem a ficar melhores: as formas de faturar com ela também!

Nesse exato momento, há tanta inovação e experimentação rolando na indústria da música, marketing, tecnologia e outras,  que sequer é possível dizer quantas oportunidades vão surgir.

O que já podemos prever, em fevereiro de 2018, é que:

  • O streaming vai seguir se consolidando como uma das principais formas de consumo de música. Além de anunciar novidades e atualizações com frequência, o Spotify tem a intenção de se tornar uma empresa de capital aberto, o que vai trazer novos investimentos e acelerar o seu crescimento. O YouTube também tem planos de lançar o seu próprio serviço de streaming;
  • Os smart assistants vão se conectar cada vez mais com a música. Você já ouviu falar na Alexa? É o assistente inteligente da empresa Amazon, um pequeno aparelhinho que obedece ordens por comando de voz. O Google e a Apple também estão lançando tecnologias como essa – o Google Assistant e o Homepod. Uma das funcionalidades dos smart assistants é tocar o tipo de música pedido pelo dono, que pode solicitar um artista específico ou algo genérico, como “música para relaxar”;
  • A produção de conteúdo por plataformas de streaming e mídias online vai ser alavancada. A Netflix está investindo cada vez mais na produção de conteúdo próprio, lançando séries e filmes inéditos; e os canais de conteúdo disponibilizados por meio de apps ou sites também têm investido muito em produções próprias.

Adivinhe quem pode encontrar uma maneira de inserir sua música dentro de todas essas possibilidades e tecnologias? Sim, você!

2018 vai ser bom para você também!

Em algum momento desse texto, você pode ter pensado: “E eu com isso?”

Pois bem, só porque você ainda não está no nível desses nomes que nós citamos – ou talvez nem goste de alguns deles –, não quer dizer que não deve ficar de olho!

O mundo está cada vez mais conectado e as coisas se transformam cada vez mais rapidamente.

Isso significa que as suas possibilidades de fazer, divulgar e faturar com sua música também vão continuar se ampliando!

Nós estamos otimistas! E você?

Deixe seu comentário dizendo quais são as suas perspectivas para 2018, e o que você planeja para fazer sua carreira bombar nesse ano!


2 Comentários

  1. marcelimhodotantan@gmail.com'
    by Marcelo Mazanbane on Fevereiro 26, 2018  10:54 Responder

    bom não estou a inda na midia ou seja não canto proficionalmente a pesar de quere ser um canto de ponta me falta conhecimento no mundo da musica e grana ;sei que tenho boas musicas mais me falta conhecimento gostaria muito de ser ajudado a coloca minhas musicas no algio de uma carreira sendo propria oo de alquem que queira fazer uma parceria eu componho e eles(é) cantam.
    sobre tudo que li a cima é muito bom saber que tem pessoas se importando e dando valor as composições brasileiras fico emotivo e com esperança de um dia ouvi minhas composições sendo ouvida internacionalmente

  2. walteralvescantor@hotmail.com'
    by walteralves on Fevereiro 26, 2018  12:33 Responder

    Bom dia sejam bem vindos estou na espectativa,pois minhas musicas ja atingiram350 estreams no Spotify
    Emboran,não seja um artista conhecido emedstaque,mais veja que estiu crecendo dia a dia m,muita sorte
    parao mundo da música e muito sucesso para todso nós ,que fazemos parte destemundo maravilhoso
    Obrigado um orte e um sincero abraços ,a todos os artistas e musicos,são meus sinceros votoe de sucesso
    e crecimenro,não só em 2018 ,como todos os anos,que virão viva a música

Comente

Seus email não será publicado.