O que todo músico deveria saber ao contratar um RP

Você é um gênio e é só uma questão de tempo até a imprensa descobrir seu som maravilhoso. Se o mundo fosse ideal, poderia até funcionar assim, mas não é. Muitas vezes, você precisa da mão de um profissional de relações públicas para virar capa de revista. Saiba como essa parte do marketing musical funciona no Blog SomosMusica

phonograph[Este post é um trecho do diretório do The Story Amp Music Publicist.]

O que um assessor vai querer que você tenha feito antes de começar uma campanha de RP?

Ainda que jornalistas e produtores de notícias estejam caminhando para o consumo digital de música antes da data do seu lançamento, existe ainda um pequeno, mas significante, número de jornalistas que preferem uma gravação física (um CD ou um vinil, em casos específicos).

Além do mais, alguns jornalistas querem ver a aparência do pacote “de verdade” antes de tomar uma decisão: a qualidade dos materiais e das artes, os títulos das faixas, durações e as sequências impressas no encarte (as versões digitais às vezes mudam antes da data de lançamento);e as letras impressas, se elas existirem. Quanto mais famoso for o músico, maior o número de jornalistas que abdicarão dos CDse resenharão a versão digital. Em alguns casos raros, para proteger de vazamentos pré-lançamento, algumas gravadoras pedirão que os jornalistas vão até seu escritório para ouvir lá a música.

Mas, cada vez mais, os jornalistas estão ficando acostumados a serem “servidos” com gravações digitais.  Isso significa um arquivo de zip ou Dropbox, Hightail, ou serviço similar. Às vezes, artistas só permitirão que jornalistas ouçam em “streaming” as faixas que não lançaram, e perto da data de lançamento. E de novo, isso é mais difícil de fazer se o artista não é popular.

O básico
Independente de tudo, você precisará disponibilizar ao seu relações públicas: faixas de áudio masterizadas (a 320BPS),  arte do álbum em alta resolução (300 DPI e em tamanho real de impressão), uma lista de faixas na ordem correta e o nome do CD, o nome da gravadora e a data exata de lançamento. Você também tem de dar imagens em alta resolução do artista. No mundo ideal, as fotos devem ser retratos (de proporções verticais) e paisagens (proporção horizontal), coloridas e em branco e preto, posadas e espontâneas (inclusive algumas de apresentações). A composição de fotos pode ser tão específica quanto pensar em fotos em que a revista poderia encaixar frases (O que requer ter bastante “vazio” em algum ponto da foto.) É melhor sempre apresentar o crédito dos fotógrafos, bem como uma legenda que identifique todos os membros da banda (especificando se eles estão listados da direita para a esquerda ou que instrumento cada um tem em mãos). Isso economiza o tempo dos diretores de arte, para que eles não tenham de descobrir essa informação.

A importância dos videoclipes
Além disso, pode ser muito importante ter um ou mais videoclipes e vídeos de apresentações ao vivo, em alta definição. Os vídeos de shows são importantes para jornalistas terem uma ideia de como sua música fica no palco. Videoclipes podem ser muito importantes na hora de conseguir inserções especiais (sobre o que falaremos depois) ou com veículos que só publiquem vídeos (e não resenhas ou reportagens).

De quantos CDs você vai precisar?
Cada RP pedirá uma quantidade diferente de CDs físicos. O número varia porque depende do tanto de veículos que cobrem certo tipo de música, do custo-benefício de prensar esses CDs e os enviar para a imprensa, quão dedicado é seu RP, se comparado com outros, o sistema que o RP tem para fazer a entrega digital dos CDs e quão atualizada é a agenda de endereços do RP. Espere ter ao menos 50 CDs físicos, ou até 300 ou mais para um artista famoso (mais os CDs extras se você está contratando um divulgador para rádio, o que será um gasto completamente diferente na sua divulgação).

Outra coisa que varia de RP para RP ou de projeto para projeto é se CDs finalizados são necessários, em vez de uma versão promocional sem as embalagens definitivas.  Ter um produto bem-acabado, igual ao que estará nas lojas, te dá uma vantagem competitiva sobre os CDRs  promocionais, ou de CDs em envelopes de papel-pardo. Assim como tudo no marketing, a aparência faz diferença. Entregar um CD bem acabado e bonitinho dá aos jornalistas uma outra impressão do que olhar para um CD com uma folha de sulfite impressa com uma versão pequena da capa e e nomes de faixas como 01Prepara_que_Agora_É_Hora_ Do_Show_6aversão. E também passa mais confiança a eles de que o produto para o qual dedicarão tempo é idêntico àquele que os clientes vão receber.

Gravadoras e artistas com uma máquina de RP bem azeitada e um forte reconhecimento de marca com a imprensa podem se dar ao luxo de mandar versões menos acabadas do CD.  Eles podem fazer uma pequena prensagem de CDRs na firma mesmo ou pedir para uma empresa fazer um álbum com uma capa provisória ou em envelope de papel pardo  (que custa menos). Note que qualquer CD promocional sem a capa que diga o nome do artista e p título do álbum fica invisível assim que é empilhado na mesa de alguém. Você também consegue agora comprar envelopes de papel-pardo que têm o nome da banda gravado na lombada. A não ser que você já tenha feito RP antes, é bom marcar o lançamento para um ou dois meses depois de você receber os CDs definitivos.

Ainda é sábio colocar uma marca que os CDs são promocionais e não podem ser vendidos (isso pode ser feito com um carimbo sobre o código de barras), ainda que muita gente pule esse passo hoje em dia. Gravadoras maiores, que se preocupam mais com vazamentos ou pirataria, optam por usar um serviço de “marca d’água”, que vincula os arquivos de MP3 a um endereço de e-mail, caso eles sejam usados. Outros só usam um serviço que monitora a Internet para achar entregas não autorizadas de suas faixas e tomam ações jurídicas em nome dos seus clientes.

Um RP é peça importante num grande time
A maioria dos RPs não cuidam de outros aspectos do marketing, gerenciamento, marcação de shows,  distribuição de discos e colocação do produto em loja, criação do site, venda direta aos fãs etc. (ainda que alguns RPs trabalhem em empresas maiores de marketing que você pode contratar para fazer esses serviços).  Os RPs esperam que você ou alguém da sua equipe esteja tomando conta desses aspectos da sua carreira. Se você quer ganhar cobertura da imprensa contratando um RP experiente, faz sentido dar conta de todos esses pontos antes de correr atrás da cobertura da imprensa: um site onde fãs possam encontrar informações sobre você, música, vídeos  agenda de shows; um jeito de os fãs comprarem diretamente de você ou da sua gravadora; acesso às suas músicas gravadas, e “streaming” em lojas virtuais (do iTunes ao Spotify) e uma oportunidade de os fãs verem como é sua música ao vivo. Ainda que a divulgação comece antes do lançamento do seu CD ou da sua turnê, você precisa ter esses outros componentes de marketing e de gerenciamento antes de trocar uma palavra com qualquer jornalista.

Em suma, antes de contratar um RP, você deve ter terminado de gravar um disco, planejado uma turnê, feito novas fotos e novos vídeos, dado conta da distribuição de varejo e de um canal de comunicação direta com os fãs.

O QUE DIZEM OS RPS…
O que eu devo ter feito antes de contratar um RP?

“Antes de uma campanha de RP começar, pedimos que nossos clientes tenham terminado um CD ou um single. Também pedimos versões em alta-resolução da arte de capa do disco e das fotos do artista. Ter uma biografia ou uma lista de fatos sobre o artista também nos ajuda na hora de montar novos materiais para a imprensa.”

— Jerry Graham, diretor de publicidade do The Syndicate

“Nós geralmente vemos que bandas lançando CDs recebem mais atenção do que outras que não. Quanto mais material você dá a um RP para ele trabalhar, melhores serão os resultados que verá. Faixas e vídeos que ainda não foram lançados te ajuda a garantir publicações ou lançamentos de vídeos que não aconteceriam se você não tivesse esses materiais inéditos.  Datas de turnê nos permitem conseguir o interesse da imprensa local. Seu RP não vai conseguir te passar esse conhecimento, mas tente começar a pensar em que ângulos e histórias da sua carreira poderiam ser interessantes para um redator. Você tem um ótimo CD: e o que mais? O que é único e atraente em você e no seu álbum?”

— Alyssa DeHayes, RP nacional do Team Clermont

“Antes de você contratar um RP, é bacana ter um CD ou single,  mas hoje em dia isso não é mais essencial. Nós andamos fazendo uma campanha mais leve de “reconhecimento” para apresentar um artista ao mundo da imprensa. Isso inclui colocar umas duas ou três canções e vídeos em sites e depois soltar releases nos momentos certos. Uma gravadora, um agente, um empresário não são mais necessários, mas definitivamente ajudam com sua imagem na imprensa. Uma turnê futura é um ponto positivo.”

— Pamela Nashel Leto, RP sênior do Girlie Action

“Tudo! Falando sério,nós precisamos saber com o que trabalharemos antes de se aprofundar na conversa de divulgação. Muitos dos nossos clientes ultrapassam as barreiras de estilos musicais, então precisamos ouvir seu som para saber do que se trata e como nosso projeto se encaixa no som. Para isso, os artistas têm de ter ao menos versões mais ou menos acabadas das faixas que vão lançar, uma data mais ou menos certa de quando serão lançadas, e alguns shows próximos dessa data já fechados (ou quase fechados). Nós trabalhamos com muitos artistas independentes  e geralmente desempenhamos o papel de gerente de projeto durante a divulgação, ajudando o artista a descobrir o que fará e quando, dando conselhos mais gerais e o apresentando a pessoas importantes do mercado que ele possa não conhecer.

Para nossos clientes, é essencial ter uma nova gravação, de preferência um novo CD e datas de shows perto desse lançamento. É também importante que os artistas se lembrem de quanto energia e dinheiro gastaram para gravar, digamos, um videoclipe e segurar seu lançamento ao invés de simplesmente jogá-lo na internet. Quanto mais exclusivo for o material que temos para oferecer à imprensa, melhor.”

— Tristra Newyear Yeager, gerente de campanha do rock paper scissors

“Antes que o cliente contrate um RP, é importante ter algo de novo para se trabalhar, seja um single, um EP ou um CD. É preciso ter tempo de divulgação suficiente para “Plantar” o novo produto na imprensa antes de seu lançamento. Uma vez que ele tenha sido lançado e esteja na loja, não é mais notícia. Shows ao vivo são importantes, ainda mais se você quer assegurar espaço em mídias locais. A quantidade de cobertura que veículos dão a música hoje em dia continua diminuindo, então tocar de verdade ajuda.  Ter um gerente, um empresário e uma gravadora é importante, mas não é mais essencial para chegar lá. Continue tocando e lançando novas músicas… Ficar firme no seu objetivo pode te ajudar a conseguir um contrato, uma gravadora e um empresário.”

— Jodie Thomas, Associate, vice-presidente da 5W Public Relations


Você pode fazer download do diretório StoryAmp Music Publicist Directory de graça, em inglês, clicando AQUI.

Ganhe Dinheiro Guide

1 Comentário

  1. andrelmelotron@gmail.com'
    by André L on agosto 13, 2014  18:56 Responder

    Excelentes dicas de RP do SOMOS MÚSICA.Parabéns a vocês pela qualidade deste site.
    Abraço

Comente

Seus email não será publicado.