O que eu, como um artista infantil, preciso saber sobre Desenvolvimento Infantil?

O público mais difícil não é o erudito, por mais que pareça: crianças têm necessidades (e interesses) diferentes, de acordo com seu estágio de desenvolvimento. O Blog SomosMúsica faz um mapinha de como manter essa galerinha entretida.

shutterstock_52770595[Este artigo foi escrito por Maryann Harman, fundadora da Music with Mar., Inc.]

Em “Então você acha que consegue gravar música infantil?”, escrevi sobre como o único fato de você ser músico não é o bastante para escrever músicas infantis. Pareceu fazer sentido seguir esse post com “O que eu, como um artista infantil,  preciso saber sobre Desenvolvimento Infantil?”.

Como tudo na vida, você precisa saber para quem você está trabalhando. No mundo das performances isso chama-se conhecer o seu público. Se você fosse um comediante não contaria piadas machistas para um público predominante feminino. (Bom, você pode, mas não vai acabar bem.) Uma professora não vai ensinar física quântica para o jardim de infância. E você não vai cantar uma música com mais de 2 minutos para uma criança pequena. Eu não estou dizendo que isso não pode ser feito, mas teríamos que envolver muitos artifícios e movimentos. E quando acabasse, toda a atenção deles teria sido gasta só em uma música.

Música Infantil não é uma só coisa.

Há várias subdivisões de gênero baseados em diversas características. Vamos quebrar isso por idade:

Bebê – música para recém-nascidos

Bebê Crescido – bebês de 12 meses a 3 anos de idade

Pré-escola – 4 e 5 anos

Jardim de infância – 5 e 6 anos

Começo do primário - primeira e segunda série

Primário mais velho – da terceira a quinta série

Aqui estão as informações básicas de como crianças respondem à música:

1. O intervalo de atenção de uma criança é igual a mais ou menos um minuto para cada ano de idade. Em outras palavras, um bebê de 2 anos pode prestar atenção por 2 minutos, um de 3 anos por 3 minutos e isso vai seguindo. Acredita-se que quando você chega a idade de ter um pensamento operatório formal (em torno de 12 ou 13 anos), você consegue focar-se por 22 minutos sem se mexer. Movimento e ter a audiência participando com você é importante em todas as idades. Com crianças, você precisa fazer com que elas se mexam um pouco mais frequentemente.

2. Crianças amam rir. Quanto mais bobinho, melhor. Eles gostam de fazer sons engraçados com a boca, caretas divertidas e eles até gostam de dançar sem nenhuma vergonha. É ok ser bobo, eles gostam de você ainda mais porque você diz para eles que é OK agir daquele jeito.

3. Escolha suas palavras com cuidado; eles vão repetir elas. O julgamento de valores de uma criança não está em seu melhor patamar quando eles têm 7 anos. Suas palavras vão virar parte do vocabulário deles.

4. Tenha certeza que eles entendam o que suas palavras significam. Uma história interessante de contar isso é uma música que cantei para minha sobrinha de 2 anos de idade. Na música, eu cantava sobre um coelho saltava por uma floresta. Ela não entendeu nada do que eu queria dizer, mas se eu falasse que o coelho pulava na praia, ela teria entendido. Eu demorei um tempo para chegar nesse insight.

5. Se você está tentando ensinar algo, repetir é o segredo. Uma criança precisa ser exposta 1.200 vezes para um conceito até que ele vire um aprendizado.

6. Os pais vão curtir que seus filhos pulem e se divirtam com você.  Eles também vão querer garantir que suas músicas (em um show ou em um CD) não deixem seus filhos hiperativos e fora de controle. Misture suas canções um pouco.

7. Os batimentos cardíacos de crianças não conseguem manter um alto nível de energia por tanto tempo quanto adultos conseguem. Os músculos dos corações deles ainda não estão completamente formados. De novo, misture suas músicas – alta energia, baixa energia, uma música para ouvir sentado e depois, talvez, uma para levantar de novo.

8. Expanda seus horizontes. Use diferentes gêneros e ajude a contribuir para a formação da criança como um futuro consumidor musical inteligente.

9. Cante em um tom em que as crianças consigam te acompanhar. É melhor usar notas entre o Ré e Mi sustenido e maiores do que o Fá sustenido. Bebês escutam tons maiores melhor do que tons menores. (Esta é a razão porque eles respondem melhores a vozes femininas.)

10. Escolha assuntos que são interessantes para eles, coisas que fazem parte do mundo deles. Passe um tempo com crianças e aprenda as coisas  que elas se importam, dão risada e reagem. Para bebês, tudo tem a ver com criar laços, sorrir e ouvir os sons. Conforme eles vão crescendo seus interesses e habilidade se expandem, e os assuntos de sua música também.

Sempre leve suas músicas para um test drive. As crianças vão mostrar para você o que funciona e o que não funciona. Eu uma vez escrevi uma música com quatro repetições, durante a quarta repetição eles começaram a me perguntar se a música já tinha acabado. Diminuí para três. Agora, eles me pedem “Canta de novo!”. Se você quiser ser bem sucedido, entenda as crianças. Espero que essa seja uma boa ferramenta para você começar. Eu agradeço qualquer feedback.

Ganhe Dinheiro Guide

2 Comentários

  1. solange11@gmail.com'
    by Solange on março 3, 2015  21:51 Responder

    Faço e canto músicas para crianças e gostei do artigo, é por aí mesmo !

Comente

Seus email não será publicado.