O mundo secreto das apresentações que pagam bem

Show bom necessariamente tem de pagar pouco, ou não seria show bom. Bom, é o que dizem por aí, mas o SomosMúsica achou um músico que ganha bem para se apresentar em lugares legais, e ele conta qual é o segredo. Vem saber

O mundo secreto das apresentações que pagam bemPor Dave Ruch

Como ganhar dinheiro sendo músico: plateias que te ouçam e cheques que não voltam

O que é uma apresentação que paga bem para você? Eu sempre fico perplexo quando os músicos da minha região falam de R$ 100 por pessoa, como se isso fosse uma regra de ouro.

É claro que ganhar uma “garoupa” por algumas horas de trabalho era um bom negócio anos atrás, mas, se você consegue viver com isso hoje em dia, que bom para você. Mas eu não consigo. Eu estou cobrando R$ 400 por um show solo de 45 a 60 minutos, na minha cidade, e de R$ 600 a R$ 1500 quando viajo.

Você já deve ter adivinhado que não toco muito em bares, cafés e outros estabelecimentos que visam o lucro. Eu geralmente toco em lugares que tenham formas externas de financiamento, centros de arte, bibliotecas, escolas, museus, shows comunitários, conselhos artísticos, sociedades históricas – e você também poderia fazer isso.

Apresentar-se…contar uma história interessante para a plateia…tocar outra canção…falar um pouco mais…tocar…fazer todo mundo rir…repetir.

Se isso já se parece com o que você vem fazendo (estou pensando em artistas do folk e de outros estilos, que tocam ouvindo sua plateia), não deve ser muito difícil “embalar” sua música com um tema, ou um título que atrairia a esses lugares, que funcionam sem buscar lucro.

Mas talvez seu show típico envolva fazer um som junto com a galera da plateia, falar, dançar e se divertir com a música. Pois há espaço para isso também

Aqui Vai o Truque

A maioria dessas organizações não lucrativas têm missões que passam por educar e divertir as comunidades em que eles estão. Por mais que eles não tenham pilhas de dinheiro para contratar músicos, a maioria delas têm alguma programação para o público (ou, no caso de escolas, para seus alunos) todo ano, e algumas delas têm bastante programação.

Na real, muitas organizações que não visam ao lucro se tornaram bem competentes em conseguir bolsas de conselhos artísticos, para pagar seus programas culturais, e a gente pode ajudar apontando as fontes de financiamentos para concertos,  porque talvez eles não conheçam todas elas.

Qual É o Segredo?

Depois de fazer esses shows por 21 anos, eu diria que achar um “gancho” é sua melhor aposta para conseguir um trampo desses.

Para mim, esse gancho é história e cultura.  Quando eu faço marketing do meu grupo de três instrumentos de corda para essas entidades, eu ressalto o fato de que nós tocamos música americana esquecida há muito tempo – coisas autênticas coletadas de cowboys e gente da montanha, marinheiros de lagos e gravações de trabalhadores do campo. Há uma narrativa muito maior do que nós e de como cantamos ou tocamos.

(A gente também toca músicas próprias e o que mais quisermos, na real, mas não é tão fácil ”vender” isso para as casas de show, então a gente usa esse material como surpresa, quando chega a hora de tocar.)

Eu também me vendo como um show solo, com dez diferentes temas possíveis para apresentação. Alguns são especificamente para crianças, outros para adultos e alguns para a comunidade toda. De novo, todos esses shows têm algum tema, indo de simples “Músicas Divertidas para Crianças” até temas mais complexos, como as músicas da Guerra de 1812.

Seu Gancho Não Precisa Ser Complicado

Banda de blues? Que tal chamar de “Música Americana” e contar algumas histórias de como o blues virou a música da migração do campo para a cidade. Bam!

Cantor e compositor? Que tal um ciclo de músicas sobre seu tema predileto, ou baseado em histórias da região em que você mora, ou qualquer coisa de que você goste.

Shows temáticos cumprem todas as condições para shows em organizações sem lucro: eles envolvem a plateia, divertem e informam a comunidade e, por causa disso, eles são valorosos.

Para Encerrar

O horário de trabalho é ótimo. O trampo recompensa. A plateia já está lá. E também estão lá os fundos para tudo acontecer. Às vezes a sala está cheia de adultos; outras vezes, de crianças. Pode haver de 2 pessoas na plateia (já rolou!) até 200 – o pagamento é garantido de todo jeito.

Você toca nesse tipo de casa? Tem uma ideia de tema? Vamos conversar sobre isso nos comentários.

5 Comentários

  1. rogeriotravasso@gmail.com'
    by Rogério on setembro 1, 2016  22:15 Responder

    Ótimas dicas para começar as atividades de minha banda com pé direito!

  2. Jaogalego@gmail.com'
    by Jao on setembro 10, 2016  13:22 Responder

    Bons conselhos. Sempre tive a ideia de tocar em locais inusitados

  3. cristinaolimpio3@gmail.com'
    by Cristina on setembro 27, 2016  06:40 Responder

    Olá,
    Agradeço pela excelente dica e gostaria de maiores detalhes. ...É possível nos falarmos?
    Atenciosamente,
    Cristina

    • by Paula Humphries on setembro 28, 2016  16:50 Responder

      Olá Cristina,

      Esse artigo foi uma colaboração do Dave Ruch. Você pode ler mais dicas dele no link a seguir (os posts compartilhados estão em inglês).

      - http://diymusician.cdbaby.com/author/dave-ruch/

      Obrigada

  4. rosinhapiauilino256@gmail.com'
    by Rosinha on setembro 29, 2016  01:25 Responder

    Excelente! Deu-me algumas ideias.

Comente

Seus email não será publicado.