O erro que (quase) todo músico iniciante comete

O que você quer fazer (de música) quando crescer? TUDO, era o que o Dani Rabin ouvia dos universitários com quem ele trocava ideia. Daí ele escreveu um texto explicando por que não dá para fazer tudo, e talvez seja melhor assim. Vem descobrir o porquê no SomosMúsica.

O erro que (quase) todo músico iniciante comete[Este post foi escrito por Dani Rabin, da Marbin, uma banda de jazz-rock progressivo de Chicago.]

Durante as minhas turnês com a banda Marbin, eu ministro várias aulas em universidades de vários Estados dos EUA. E fiquei surpreso ao descobrir nessas aulas que a maioria dos alunos de música não têm ideia de o que querem fazer depois de se formar. Eles sabem que querem ser músicos, mas não entendem completamente o que significa ser músico. Quando eles são pressionados, dizem que querem fazer um pouquinho de cada coisa, mas a verdade é que isso não é possível — ao menos não num nível profissional. É preciso ter qualidades distintas para tocar música autoral, dar aula na universidade, tocar jazz, tocar pop, tocar música no teatro, compôr músicas para filmes, montar uma banda de casamento etc.

Se você se encontra no mesmo lugar que essa maioria dos estudantes, eu tenho notícias boas e notícias ruins para você. A má notícia é que todos os campos do mercado musical são muito competitivos. A boa notícia é que, depois que você decidir o que quer fazer, terá uma grande vantagem no seu caminho até o sucesso. Aqui vão alguns exemplos de caminhos de carreira musical e alguns pontos essenciais que você deve levar em consideração antes de optar por um deles.

Fazer parte da cena de jazz

Um músico de jazz precisa saber, de cor, o máximo de melodias populares o possível (centenas delas). Não importa em que parte do mundo você more, a maioria dos jazzeiros não ensaia e não decide qual será a set list antes do momento de tocar.

Se você não conhece a melodia que será tocada nem vai importar o quão bem você toca, a banda não vai te chamar de volta. Vocês não acreditariam quantas vezes eu encontrei músicos que se considerava jazzistas, sem nem saber tocar dez músicas sem ter partitura na frente.

Casamentos e eventos corporativos

Saber cantar é uma mão na roda para esse tipo de trabalho: estar na estica também. Invista algum dinheiro num bom terno e num sapato social bonito. Se você não cantar, é importante tocar um instrumento que seja presente em muitas músicas populares. São importa o quão bem você toque o oboé ou a clarineta, instrumentos como esses não estão numa música do Bon Jovi.

Teatro

Há duas qualidades importantes para se tocar no teatro. Saber ler música e saber tocar em sincronia com outros instrumentos iguais ao seu. Quanto mais instrumentos você tocar, melhor. Uma mesma música exige um saxofone alto, um segundo sax, um flautim, e um clarinete baixo. Se você tocar razoavelmente bem esses três instrumentos, você vai ser contratado antes mesmo do Charlie Parker, que é o melhor tocador de alto da história. É o mesmo princípio para quem não toca instrumento de sopro. Baixistas, por exemplo, tem de tocar baixo acústico e elétrico, e aprender a tocar dedilhando, de batidinhas e com palheta.

Ficar na academia

Você não precisa ter muita educação formal para dar aulas particulares ou em aulas de instrumentos. Mas para dar aulas em escolas de prestígio como a Juilliard você precisa de pelo menos uma pós-graduação e um doutorado é ainda melhor. A escola em que você se graduou conta bastante na hora de ser escolhido para dar aula.

Pop

Inscreva-se na academia. Exercício aeróbico e levantamento de peso. Muitos músicos que eu conheço são bons o suficiente para tocar todas as músicas da Taylor Swift, mas não são muitas pessoas que conseguem um trampo desses. Para tocar com uma estrela do pop, você tem que se vestir ou se comportar de acordo com algumas modas. Aqui vai o perfil de Facebook do Roy Kariok, guitarrista dos Backstreet Boys.

O erro que (quase) todo músico iniciante comete

Escrever música para filme

A maioria das trilhas sonoras originais de filmes hoje em dia é composta por um compilado de midi e de trechos de músicas de outros artistas. A maioria dos estúdios não tá a fim de alugar um bom estúdio para um quarteto de cordas, pagar o cachê de quatro músicos e depois ter de mixar e masterizar esse som. Um pacote decente de midi custa caro, mas é necessário se for isso que você quer fazer da vida. Adquirir um e montar um estúdio caseiro para gravar vocais em casa é o que você podia fazer agora.

Música autoral

Ensaie, encontre uma banda, escreva canções (pelo menos três horas de material), grave um álbum e vamos nessa. No começo, aceite todo e qualquer show – mesmo se for de graça.

A regra que eu sigo na hora de marcar shows é simples: se a casa de shows ganha dinheiro, eu quero ganhar dinheiro. Se a casa de shows estiver ganhando dinheiro graças a mim, quero uma parte maior do dinheiro. Se você tocar para um salão vazio, não espere receber nada por isso. Seu trabalho é criar uma experiência potente que atraia as pessoas. É por causa disso que você é contratado..

Conclusão

Mais uma coisa que vale para qualquer caminho de carreira que você escolher é: esteja disponível. Se você for chamado para tocar num casamento mas estiver na estrada, no meio de uma turnê, não será chamado de novo. Quando tiver que dar aula de Harmonia de Jazz, não poderá sair em turnê e perder meio semestre. Qualquer caminho é um trabalho em tempo integral. Trate-o com seriedade e você será recompensado

Se você ficou com dúvidas, pode me procurar no email marbinmusic@gmail.com ou no www.facebook.com/marbinmusic.

Ah, e aqui vai um vídeo recente da Marbin trocando a música “African Shabtay”, do nosso quinto álbum, Aggressive Hippies:

Save

1 Comentário

  1. beatman1@gmail.com'
    by Paulo on julho 23, 2016  15:17 Responder

    Que frivolidade de texto, é sério isso? Tá de brincadeira.
    Além da péssima tradução, também.
    Contéudo totalmente dispensável.

Comente

Seus email não será publicado.